Pedro, antes de conhecer Jesus, tinha uma vida boa segundo os conceitos desse mundo: era um empresário do ramo da pesca, proprietário de barcos, tinha funcionários, homem de família, empreendedor, bom profissional e trabalhador. O que ele não sabia era que um dia Jesus o encontraria e que a partir desse encontro a sua vida mudaria totalmente. 
Pedro não era religioso, ele não vivia esperando a chegada do Messias. O religioso da família era o seu irmão André, esse era discípulo de João Batista e vivia ansiosamente aguardando a chegada do Senhor. Jesus não estava na agenda de Pedro mas Pedro estava na agenda de Jesus. Humanamente olhando o quadro e conhecendo um pouco a história de Pedro, ele jamais mudaria de vida, ele havia plantado por muitos anos para chegar aonde chegou. Mudar não estava nos seus planos e largar tudo, muito menos. Abandonar anos e anos de trabalho árduo não estava com certeza na sua mente. O que fez um homem tão enraizado e bem sucedido no que fazia abandonar tudo? Quem teria esse poder para ordenar um homem tão seguro largar todas as coisas construídas com tanta dedicação?
A sua decisão de largar tudo e seguir a Jesus mexeu com toda sua vida, mexeu com a sua família e com a sua comunidade. E ele larga tudo para viver pela fé. Deixa toda estrutura que estava a sua identidade, sua história, seu sustento e nela estava parte da sua vida. Ele deixa tudo e vai com Jesus, vai viver algo que não tinha nenhum conhecimento, nenhuma experiência, vai crendo que aquele homem era diferente e poderoso. Vai impulsionado por algo que aconteceu dentro dele que nem ele sabia explicar. Se fosse nos dias de hoje, a família interditaria ele, o colocaria internado num centro psiquiátrico. Ele larga todas as garantias conquistadas para viver na dependência de um homem que se dizia o messias, ele muda radicalmente de vida. Segundo o conceito do estruturalismo social, mudou para pior, fez uma péssima escolha, tomou uma equivocada decisão, faltou maturidade, foi por impulso. 
Pedro perde prestígio entre os homens, sai do mercado, não tem mais voz, não tem mais crédito, ficar menor aos olhos de todos, é deixado de lado, é desconstruído, tudo isso por causa do chamado de um homem que havia pedido a ele o seu barco emprestado para realizar um culto na praia. 
Toda essa estranheza, todo esse absurdo, toda essa loucura chama-se Evangelho. Quando o Senhor chega sacode tudo, balança todos os alicerces, desmonta todas as certezas e definições, e a sua vontade é feita. E muitas vezes essa vontade escandaliza aquilo que aparentemente está organizado e definido. Deus o chama para algo sublime, único, diferenciado, ser Dele e viver para Ele é uma honra, é uma glória e um espanto para a sociedade. O Segundo Pedro tornou-se um apóstolo, pregador, discipulador, referência, servo, missionário, coluna da igreja, ousado, disposto a dar a sua própria vida pela causa do seu Senhor e Salvador. Que história louca, que enredo provocador! Esse é o nosso Deus afirmando pra gente que a Palavra da Cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós que somos salvos é o poder de Deus. 
A minha oração é que Deus mexa no mais profundo do seu ser mudando tudo e transformando você num servo(a) que nada tem mas possui tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *